manifesto-b.jpg

Manifesto

Imagine um mundo que é plenamente capaz de produzir alimentos para todas as pessoas que habitam nele. Imaginou? Este é o nosso planeta Terra. Desde o momento em que o ser humano aprendeu a cultivar os grãos como comida, a humanidade se tornou capaz de alimentar a todos.

 

O mundo vive hoje um grande e doloroso paradoxo: produzimos alimentos suficientes para todos, mas ainda assim temos mais da metade dos brasileiros vivendo algum tipo de insegurança alimentar. Além disso, estima-se que um terço de todo o alimento produzido no mundo é desperdiçado.

Sabendo disso tudo, como você se sente (ou como a sua empresa se porta) quando precisa jogar alimentos no lixo? Colocar o holofote na redução do desperdício de alimentos é uma necessidade não apenas econômica, mas ambiental e também uma saída para direcionar a atual crise humanitária que é a falta de acesso de alimentos para as populações vulneráveis. Nenhuma comida foi plantada, regada, processada, transportada e armazenada com o propósito de parar no lixo. 

Estima-se que um terço de todo o alimento produzido no mundo é desperdiçado.

Mas e por que tantas pessoas ainda passam fome todos os dias? São diversas as respostas. Mas uma das principais, sem dúvidas, é o desperdício. E foi com o olhar voltado a este cenário que a nossa fundadora, Alcione Silva, idealizou em 2016 a Connecting Food. A nossa grande força-motriz é não deixar que os alimentos bons para consumo humano acabem na lata de lixo. Mas como?    

  

Conexão. É assim que nós buscamos solucionar o desperdício de alimentos no Brasil. Uma palavra simples que simboliza exatamente o que nós fazemos: conectar alimentos aos destinos corretos ao redistribuir, articular parcerias e utilizar dados, tecnologias e processos ágeis. Por meio de tudo isso, cumprimos a nossa missão de otimizar recursos e dar aos alimentos o real propósito de sua existência: alimentar.    

 

Engajada com esta realidade, a Connecting Food se apresenta ao mercado como um negócio de impacto social que se propõe a contribuir para reduzir os impactos do desperdício na sociedade. Se somos o que comemos, quem são as pessoas que não comem?

O alimento é o que nos move e desperdiçá-lo não é uma opção.